Coronavírus: ONU doa toneladas de suprimentos para ajudar a América Latina

  • "O COVID-19 é uma emergência de saúde que requer uma resposta global, com o Panamá sendo o centro de operações da América Latina e do Caribe".
  • O Brasil tem o maior número de casos e mortes por COVID-19 na América Latina, tornando-se o epicentro da doença na região.
  • O novo coronavírus causou quase 88,000 mortes em todo o mundo e infectou quase 1.5 milhões.

As Nações Unidas distribuíram oito toneladas de suprimentos do seu centro de operações no Panamá para combater a pandemia de COVID-19 na América Latina e no Caribe. O Programa Mundial de Alimentos (PMA) informou que os suprimentos, que incluem kits COVID-19, foram enviados para 24 países da região.

Doença de coronavírus 2019 (COVID-19), também conhecida como doença respiratória aguda 2019-nCoV (2019-nCoV ARD), e a nova pneumonia por coronavírus (NCP) é uma doença respiratória viral causada pelo novo coronavírus 2019 (SARS-CoV-2) . Foi detectado pela primeira vez durante o surto de coronavírus Wuhan em 2019-20.

“O COVID-19 é uma emergência sanitária que requer uma resposta global, sendo o Panamá o centro de operações da América Latina e do Caribe”, disse Miguel Barreto, diretor regional da PAM, a agência da ONU encarregada de gerenciar esse depósito humanitário.

Os kits de combate à doença incluem materiais para profissionais de saúde, como máscaras, luvas, aventais, óculos e desinfetantes. Barracas multifuncionais também foram enviadas para diversos países, segundo nota da agência. Na América Latina, 1,353 pessoas morreram com o novo coronavírus, que causou 35,842 infecções na região, segundo os dados mais recentes.

“Dada a suspensão dos voos comerciais em todo o mundo, os estoques humanitários desempenham um papel muito mais importante nesta pandemia”, disse Francisco Quesada, gerente de depósito. “Estamos sempre esperando que a remessa chegue ao destino em até 48 horas após o pedido”, acrescentou.

Em 2018, o Panamá abriu o primeiro centro de logística na América Latina para a rápida distribuição de ajuda humanitária em caso de desastres. O Centro Regional de Logística para Assistência Humanitária, localizado na antiga base militar dos Estados Unidos em Howard, a oeste da capital, ocupa 6.12 hectares. Desse centro, em 2019, foram destinadas à região pelo menos 301 toneladas de suprimentos, entre barracas, escritórios pré-fabricados, veículos, purificadores de água e remédios.

Epicentro da Epidemia no Brasil na América Latina

Coronavírus são espécies de vírus pertencentes à subfamília Coronavirinae da família Coronaviridae, da ordem Nidovirales. Existem sete cepas conhecidas de coronavírus humanos, incluindo o COVID-19.

Brasil tem o maior número de casos e mortes por COVID-19 na América Latina, tornando-se o epicentro da doença na região. Na terça-feira, o Ministério da Saúde registrou 114 novos óbitos, totalizando 667 óbitos desde seu primeiro óbito registrado, em 26 de fevereiro. Foi a primeira vez que o balanço diário de vítimas ultrapassou 100 mortes.

São Paulo continua sendo o estado mais afetado pela pandemia no Brasil, com 371 mortes, mais da metade das mortes em todo o país. O estado é seguido pelo Rio de Janeiro, com 89. O índice de mortalidade no país subiu de 4.4% para 4.9%. A título de comparação, cerca de 10% dos pacientes infectados morreram no auge da crise na Itália, o epicentro da doença na Europa.

O número de casos de COVID-19 no país atingiu 14,511 na quarta-feira, um aumento de 13.7% em relação ao dia anterior.

O novo coronavírus causou quase 88,000 mortes em todo o mundo desde seu primeiro registro em dezembro de 2019. Desde o início da epidemia, quase 1.5 milhão de infecções foram registradas em 192 países ou territórios. O número de casos diagnosticados, no entanto, reflete apenas uma parte do número total de infecções, devido às diferentes políticas de diagnóstico de casos. Alguns países fazem isso apenas para pacientes que precisam de hospitalização.

As autoridades consideram que pelo menos 319,000 pessoas se recuperaram em todo o mundo, até agora. Os Estados Unidos registraram o maior número de novas mortes na quarta-feira, com 1,528, seguidos pelo Reino Unido (928), Espanha (628), Itália (542) e França (541).

Mais de quatro bilhões de pessoas em quase 100 países ou territórios são forçadas ou incentivadas por suas autoridades a permanecer confinadas em suas casas para combater a propagação do COVID-19. Isso representa mais da metade (cerca de 52%) da população mundial, estimada pela ONU em 7.79 bilhões de pessoas em 2020.

[bsa_pro_ad_space id = 4]

Joyce Davis

Minha história remonta a 2002 e trabalhei como repórter, entrevistador, editor de notícias, editor de texto, editor administrativo, fundador de boletins informativos, gerador de perfis de almanaque e locutor de notícias de rádio.

Deixe um comentário