Eleições 2020 - Alguns líderes mundiais permanecem em silêncio

  • O governo chinês ainda não se pronunciou sobre a vitória de Biden.
  • O presidente mexicano Andrés Manuel López Obrador foi o primeiro a declarar explicitamente que não reconheceria o democrata como presidente eleito.
  • O presidente Jair Bolsonaro, que apoiou publicamente a reeleição de Donald Trump, também permaneceu em silêncio.

Parabéns começaram a chegar de todo o mundo a sério depois que surgiu no sábado, aquele candidato democrata Joe Biden assumiu uma liderança intransponível sobre o presidente Donald Trump na contagem quase completa das eleições de terça-feira. Notavelmente, no entanto, alguns dos principais líderes mundiais permaneceram em silêncio até agora.

Os principais líderes mundiais e países que até agora não enviaram mensagens de parabéns ao presidente eleito dos EUA incluem:

O presidente chinês Xi Jinping aperta a mão de Joe Biden em Pequim em 2013.

China

O governo chinês ainda não se pronunciou sobre a vitória de Biden. Em geral, A China acompanhou discretamente o processo eleitoral nos Estados Unidos.

No entanto, da China os laços com os EUA durante os quatro anos da presidência de Trump deterioraram-se enormemente. Notavelmente, as duas nações se envolveram em guerras comerciais.

Rússia

In Rússia, a partir do meio da tarde de domingo, ainda não havia uma declaração do presidente Vladimir Putin sobre os resultados das eleições americanas. A Rússia foi acusada de interferir nas eleições americanas de 2016 para ajudar Trump a ser eleito, na esperança de que ele assumisse uma posição mais branda em relação a Moscou.

Em contraste, no entanto, o líder da oposição da Rússia Alexei Navalny parabenizou Biden à frente do Kremlin. Em um tweet, Navalny parabenizou Biden e sua companheira de chapa, Kamala Harris, por “Definindo a nova liderança em uma eleição livre e justa”.

Biden é esperado que assumir uma postura mais dura, tendo acusado abertamente Trump durante a campanha de ter “abraçado tantos autocratas ao redor do mundo com uma menção de gente como Vladimir Putin”.

México

A maioria dos países das Américas, incluindo Canadá, Argentina, Costa Rica, Chile, Colômbia, Panamá e mesmo o de Nicolás Maduro da Venezuela, parabenizou o Presidente Eleito. Duas exceções notáveis ​​foram o México e o Brasil.

Presidente mexicano Andrés Manuel López Obrador foi o primeiro a declarar explicitamente que ele não reconheceria o democrata como presidente eleito até “Todas as questões jurídicas relativas às eleições foram resolvidas”, citando a suposta fraude eleitoral que sofreu em 2006.

O presidente mexicano negou ter feito comentários "por prudência", enquanto Donald Trump insiste que sua eleição foi roubada e todas as vias legais devem ser esgotadas. O líder esquerdista se gabava de um “Relacionamento muito bom” com ambos os candidatos.

No entanto, a recusa do governo mexicano em reconhecer Biden causou indignação de congressistas americanos e políticos da oposição mexicana.

O presidente mexicano, Andrés Manuel López Obrador, durante entrevista coletiva na semana passada. Ele está esperando os tribunais decidirem sobre a eleição dos EUA antes de parabenizar Joe Biden.

Brasil

In Brasil, Presidente Jair BolsonaroQuem apoiou publicamente a reeleição de Donald Trump, também permaneceu em silêncio. O Presidente da Câmara dos Representantes, Rodrigo Maia, parabenizou Joe Biden.

Bolsonaro, que declarou abertamente sua admiração por Tump, a quem ele vê como uma espécie de modelo político, até agora não fez menção ao processo eleitoral que culminou com a derrota de seu aliado.

Turquia

Presidente Recep Tayyip Erdogan ainda não comentou o resultado. A Turquia pode perder mais do que a maioria dos outros países após a eleição de Joe Biden como presidente, já que ele deve fortalecer a posição dos EUA contra as intervenções militares estrangeiras de Erdogan e uma cooperação mais estreita com a Rússia.

Outro grande obstáculo é a recusa de Washington em extraditar o clérigo muçulmano baseado nos EUA Fethullah Gulen, que, de acordo com Ancara, orquestrou um golpe fracassado em 2016.

[bsa_pro_ad_space id = 4]

Vincent Ferdinand

Reportagem de notícias é minha praia. Minha visão do que está acontecendo em nosso mundo é colorida pelo meu amor pela história e como o passado influencia os eventos que ocorrem no tempo presente. Gosto de ler política e escrever artigos. Foi dito por Geoffrey C. Ward: "O jornalismo é apenas o primeiro esboço da história". Todo aquele que escreve sobre o que está acontecendo hoje está, de fato, escrevendo uma pequena parte de nossa história.

Deixe um comentário